PONTO DE VISTA

Fraude Moral e

Desinformação:

Risco Político da Eleição 2018

O Brasil está cansado desta politicagem nacional tal como ela tem sido praticada nos últimos 15 anos, suja, indigna e fraudulenta em todos os sentidos morais.

 

Como especialista em inteligência em riscos corporativos, não pude deixar de observar determinadas ações e atitudes que considero inaceitáveis, neste século XXI, onde a governança e o compliance imperam, para um partido político que disputa eleição para presidente da república do Brasil. Sinto-me envergonhado de ter que ser testemunha deste show de dissimulações, tratando, nós, a população brasileira, como verdadeiros idiotas. Vamos analisar fatos e contra fatos não há argumentos.

 

Como profissional que sou, não pude deixar de tomar uma posição clara e direta, perante o mercado e meus clientes, diante do que considero fraude moral e um trabalho orquestrado de desinformação para o povo brasileiro.

Introdução

 

O Partido dos Trabalhadores já ciente da impossibilidade real de reverter a vitória de seu oponente Jair Bolsonaro, lançou, após o primeiro turno das eleições para presidente da república, uma campanha, planejada e preparada, digna de um verdadeiro serviço de Inteligência Estatal, socialista, da época da Guerra Fria. Basta ler o livro “Desinformação” do Tenente General Ion Mihai Pacepa, Ex-chefe do serviço de inteligência da Romênia, na época do déspota Nicolae Ceausescu, que desertou para os Estados Unidos e detalhou todo o processo da “dezinformatsiya”.

Escrevi na nossa última Revista, edição 125, um artigo onde dissertei sobre o risco da democracia em função da prospectiva de cenários de polarização de ideologias e consequentemente a materialização de atos coletivos e individuais de violência, gerando descontrole da ordem, com possível intervenção das Forças Armadas, com base na constituição. Estes cenários, estão, até o momento, temporariamente afastados, embora estejam ativos, mas o clima ainda é bastante instável até o próximo dia 28 de outubro. Incluo aí a prospectiva de informações sobre a questão dos mandantes do atentado de Jair Bolsonaro serem da facção criminosa PCC.    

O resultado do primeiro turno destas eleições 2018, com Jair Bolsonaro, recebendo 50 milhões de votos, mudou completamente o contexto e a estratégia do seu maior competidor, o Partido dos Trabalhadores na figura de Fernando Haddad.

Temos alguns fatos, que confirmam uma Derrota Moral para o Partido dos Trabalhadores, que não aceitou e quer “deslegitimar a eventual vitória do oponente, qualificando-a como fraudulenta. É uma especialidade lulopetista”, conforme o belíssimo editorial do Jornal Estado de São Paulo de 19 de outubro de 2018. Vejamos os fatos:

 

1) A Nação Brasileira escolheu a desesquerdização no primeiro turno, optando por outro modelo que não seja o status quo;

 

2) Quase 50 milhões de eleitores votaram em Jair Bolsonaro, um outsider, um desconhecido, mas que captou a insatisfação da população brasileira pela inépcia do governo petista nestes últimos 15 anos;

 

3) O PT perdeu cadeiras de senadores considerados “medalhões”, nos principais colégios eleitorais, tais como Eduardo Suplicy em São Paulo, Dilma Rousseff em Minas Gerais, Lindemberg Farias do Rio de Janeiro. Ao contrário o partido tido como “nanico” de Jair Bolsonaro, PSL, que elegeu 4 senadores, o que significa um tapa de pelica na cara do PT;

 

4) O PSL, partido de Bolsonaro, elegeu 52 deputados, a segunda maior bancada da câmara e alguns destes deputados com votações das mais expressivas do Brasil.

 

5) Jair Bolsonaro não teve recursos milionários, nem um minuto sequer de tempo no horário eleitoral obrigatório na televisão, não contou com nenhuma coligação de partidos a seu favor, não teve dinheiro do “Fundo Partidário”, e para completar, foi vítima de um atentado que o manteve no hospital durante a reta final da campanha do primeiro turno. Mesmo assim, chegou perto de liquidar a fatura neste primeiro turno.

 

Para o PT foi uma clara demonstração que a sociedade brasileira não está satisfeita e resolveu apostar em outro modelo, com o objetivo de quebrar o ciclo de esquerda em prol do da direita. Este, segundo minha visão, é um fato. 

Interpretações

Antes de mais nada compensa conceituar o que é interpretação: considero um conjunto de ideias organizadas, analisadas e relacionadas entre si, formando um todo significativo capaz de produzir um resultado, uma inteligência para tomada de decisão. Ou seja, conectamos as informações e fatos e realizamos a leitura do quadro que enxergamos. É obviamente uma visão deste autor.   

A) Primeiro Ponto de Análise – Por que Bolsonaro ganhou de forma tão expressiva no primeiro turno e possui grandes chances de ganhar no segundo turno?

1. Jair Bolsonaro significa o “antipetismo” perante o povo brasileiro. Os brasileiros não querem mais o “Mecanismo” corrupto deslavado que foi descoberto nos últimos tempos;

2. Jair Bolsonaro embora não possua história, conseguiu captar a sensibilidade do povo, a indignação latente. Cinco fatores impulsionaram sua promoção junto ao público, o que favoreceu uma franca vantagem: 

√ imagem de ser frontalmente contra a ideologia “petista”, tida como socialista: máquina estatal inchada, corrupção sem controle, assembleias e plebiscitos visando burlar a constituição para a perpetuação do poder, controle das mídias; 

√ o fato de ter um passado incólume, um dos poucos, na Lava Jato, na Câmara dos Deputados;

√ resgate dos valores éticos e morais do povo brasileiro; 

√ o fato de ter sido Capitão do Exército, formado pela Academia Militar das Agulhas Negras, berço de formação do oficialato do Exército Brasileiro e este ser uma das instituições mais bem-conceituada no Brasil, pelos brasileiros, em termos de ética e honestidade; 

√ tratamento de choque para a questão da segurança pública, tema extremamente sensível para a população brasileira. 

3. O povo brasileiro não aceitou mais o discurso patrimonialista do PT e dos candidatos de centro, pois não enxergavam neles a virada de mesa que era necessária e sua expectativa. 

4. O povo brasileiro não mais aceitou, ficar preso a um sistema que o PT, como bem descrito no editorial do Estadão de 19/10/2018 , “... pretende manter o País refém de suas manobras ao lançar dúvidas sobre o processo eleitoral, assim como já havia feito quando testou os limites legais e a paciência do eleitorado ao sustentar a candidatura de Lula da Silva. É bom lembrar que, até bem pouco tempo atrás, o partido denunciava, inclusive no exterior, que "eleição sem Lula é fraude". O PT ultrapassou os limites, tanto do judiciário como do povo brasileiro.

5. Quando sofreu o atentado a população ficou estarrecida e apreensiva com o ocorrido, pois no Brasil nunca havia tido uma atitude destas para um candidato a presidência da república. Este atentado na verdade fez com que a população ficasse sensível “ao Capitão”. Eleitores torceram, rezaram e fizeram vigília na porta do hospital, pela sua recuperação. Bolsonaro conseguiu com este trágico acontecimento transformá-lo em uma grande oportunidade;  

6. Quanto mais a mídia batia nele, seus concorrentes e os especialistas de plantão, incluindo uma série de cientistas políticos e economistas, afirmando que Bolsonaro não teria governabilidade, competência técnica para administrar o Brasil, que seu governo colocaria em risco a democracia e se tornaria um fascismo, sua popularidade crescia. Crescia porque, mais uma vez, a sensibilidade da expectativa do povo brasileiro era de uma pessoa de pulso e personalidade forte, fala direta, sem medo de confronto, sem muitas travas na língua. A nação brasileira queria ver o “capitão” com vigor e disposição de realizar a virada de mesa;  

7. O PT não entendeu que não adianta bater na pessoa Bolsonaro nesta campanha, como também não adiantava bater em Lula em 2002. Bolsonaro já virou um símbolo e eles não entenderam isso, por esta razão, a estratégia montada foi para o ralo.   

B) Segundo Ponto de Análise – Por que o PT não entendeu o contexto? Por que o PT manteve sua postura de manter Lula como principal líder vitimizado, descumprindo a lei e afrontando a Justiça Eleitoral? Por que o PT manteve a postura e estratégia de frisar em estatizar, aumentar gastos públicos, visando rodar a economia? 

1. O Partido dos Trabalhadores não entendeu ainda, e creio eu, que não entenderá, tendo em vista seu perfil arrogante, de superioridade, da natureza profundamente autoritária de um partido que não admite oposição, pois se julga dono da verdade e exclusivo intérprete das demandas populares e também de se colocar como vítima por tudo o que aconteceu. O PT não assumiu a “mea culpa” para o povo brasileiro. Ter assumido seus erros e dizer quais seriam as medidas corretivas, a solução. Esta poderia ser uma estratégia e saída honrosa. Mas fizeram justamente ao contrário, ficaram na mesma entoada, como se nada tivesse acontecido e que seu líder presidiário foi injustiçado e perseguido pela justiça brasileira; 

2. O PT, mesmo com o impedimento da justiça eleitoral, manteve Lula em seus materiais de campanha, onde aparecia como candidato a presidente e o Haddad como Vice-Presidente. Houve demora em decolar com uma campanha estruturada, pois o PT aguardava a decisão da justiça, que quando veio o óbvio da negativa tiveram que correr com nova chapa;

3. TSE não validando a candidatura de Lula, o PT teve que improvisar, montando uma chapa sem alinhamento estratégico, com Haddad como Presidente, e a Manuela D’ávilla do PCdoB como vice-presidente. 

A Vice-Presidente completamente fora de contexto, tanto é que não se ouviu discursos dela ou atuações na campanha. Sempre aparece ao lado de Haddad, sempre quase sem falar nada; 

4. A Chapa teve que pedir benção semanalmente para o líder presidiário do PT em Curitiba, o que ficou muito ruim em termos de imagem, pois Haddad ficou sendo um fantoche. Não podia dar um passo sem pedir permissão para o presidiário. Tudo tinha que ser discutido em Curitiba, na sede da Polícia Federal. O apelido de “poste” para Haddad pegou, ficando ele com uma imagem fragilizada.

5. O programa de governo do PT circulou pelas mídias sociais, além de ser debatido por veículos de comunicação, sendo Haddad questionado sobre alguns pontos que eram totalmente contrários aos princípios democráticos, tais como: “impedir abusos” do Judiciário, “estimular a participação e controle social em todos os Poderes da União e no Ministério Público”, intenção de amordaçar a imprensa, através de um “novo marco regulatório” nas comunicações. Na economia o estado terá que inchar e não haverá privatizações. Fariam a fragilização das instituições através de plebiscitos e assembleias. Com isso, poderiam até mudar a constituição, tal qual a Venezuela. Puniriam severamente quem criticasse a governabilidade do PT. Tudo isso foi vinculado e repassado nas mídias. Haddad inúmeras vezes não respondia de forma clara, somente dava respostas evasivas, escorregadias; 

6. Outra estratégia do PT foi chamar o candidato Jair Bolsonaro de homofóbico, racista, nazista, fascista e outras taras sociais. O que não deu muito certo, pois muitos do público LGBT declararam seu voto oficialmente nas mídias sociais. Repito, não adianta bater no candidato, pois já virou símbolo; 

7. A Campanha do #EleNão, contra a figura machista e homofóbica de Jair Bolsonaro, acabou não atingindo o objetivo esperado, patrocinado por alguns artistas globais com manifestações em todas as capitais brasileiras. No dia posterior às manifestações do #EleNão, teve também manifestações do #EleSim, apoio ao Bolsonaro, também em todas as capitais do Brasil, sendo na Avenida Paulista em São Paulo, a de maior concentração de pessoas. Houve inclusive o show, em São Paulo, de Roger Waters, ex-lider do Pink Floyd, que estampou o slogan #EleNão, recebendo vaias por grande parte do público.    

8. O PT manteve e reforçou a manutenção da cor do Partido, vermelha, sobreposta a cor da Bandeira Nacional, o verde e amarelo, no sentido de marcar presença. Isto criou um forte sentimento de patriotismo do povo brasileiro, onde Jair Bolsonaro assumiu o verde amarelo. O vermelho ficou marcado na mente da população como bandeira do Comunismo – Símbolo maior da Ocupação Socialista. Ou seja, a rejeição acabou sendo maior. Teve inclusive inúmeros protestos, em várias capitais brasileiras, contra a bandeira vermelha, o que potencializou um clima de patriotismo contrapondo a cor vermelha em prol do verde amarelo. Estas manifestações impactaram diretamente na campanha do PT. 

C) Fraude Moral e Desinformação – Planejamento Estruturado

O que vem a ser Fraude Moral: é o ato de má fé praticado com o objetivo duplo de prejudicar e enganar, além de desorientar a capacidade de julgamento e de decisão. Esta desorientação é realizada por ações e atos. 

Desinformação é um trabalho que se enquadra na área da Inteligência Empresarial, sendo utilizada na técnica de Contra Inteligência, ou seja, iremos ter que confundir, iludir nossos alvos. Portanto a Desinformação é uma ação intencional com o objetivo de induzir ao erro na tomada de decisão.  

Pois bem, já que estamos parametrizados em termos de conceitos, vamos a alguns fatos novos em relação a estratégias adotadas pelo PT para este segundo turno, tendo em vista que o partido do Jair Bolsonaro não mudou a sua. Vamos numerando:  

1. Frente Democrática

O PT lançou uma frente democrática neste segundo turno, em defesa da candidatura do preposto do presidiário Lula da Silva, Fenando Haddad. Sob a Coordenação de Jaques Wagner, o PT pretende vender a ideia para o povo brasileiro dizendo que o PT pode ser o bastião da democracia ante o avanço da candidatura do deputado Jair Bolsonaro – PSL. Isto é uma desinformação ou uma fraude moral, pois afirmar que a democracia está em risco por causa da candidatura de Jair Bolsonaro é uma verdadeira falta de bom senso. De novo, basta ler o programa de governo do PT que “prega um novo processo constituinte: a soberania popular em grau máximo para a refundação democrática” e... “O PT promete subverter a democracia representativa. Além de instalar conselhos populares, ela quer expandir para o presidente da República e para iniciativa popular a prerrogativa de propor a convocação de plebiscitos e referendos”. Vão instituir “medidas de controles sociais em todos os Poderes e Ministérios Públicos". Para coroar as pretensões autoritárias do PT mencionam a necessidade de “um novo marco regulatório da comunicação social e eletrônica”. A atual liberdade atrapalha o PT. 

Com base no texto acima podemos comparar os futuros governos do PT – Haddad  e do PSL – Bolsonaro. Utilizaremos como parâmetro o  “Como as Democracias Morrem” (editora Zahar), dos Professores Doutores de Ciência Política de Harvard, Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, que estiveram no Brasil e deram uma entrevista na revista Exame e o Jornal Folha de São Paulo e afirmaram que Bolsonaro tem características de uma governo autoritário. Mas os nobres professores da Harvard deveriam aplicar o que recomendam em seu próprio livro, pois caem em contradição. Em sua página 33, existe um quadro com quatro macro indicadores de governos autoritários, que eles indicam para identificar possíveis ditadores, são eles: 

√ Rejeição das regras democráticas do jogo ou compromisso débil com elas;

√ Negação da legitimidade dos oponentes políticos;

√ Tolerância ou encorajamento à violência;

√ Propensão a restringir liberdades civis de oponentes, inclusive a mídia. 

 

O Programa de Governo do PT bate de 4 x 0 o do PSL em relação a ser fascista ou autoritário. Vamos relatar dois fatos:  

Primeiro Fato: Quando ocorreu o caso de violência individual de uma moça no sul, que teve sua barriga marcada com o símbolo nazista, dito por “bolsonaristas”; o candidato Jair Bolsonaro repudiou este ato, inclusive publicando em seu Twitter “Dispensamos voto e qualquer aproximação de quem pratica violência contra eleitores que não votam em mim. A este tipo de gente peço que vote nulo ou na oposição por coerência, e que as autoridades tomem as medidas cabíveis, assim como contra caluniadores que tentam nos prejudicar”. Ou seja, ele coibiu e não deu a mínima força para ações e atitudes isoladas ou coletivas.

Segundo Fato: Já o PT fez ao contrário, seu coligado, Guilherme Boulos do PSOL, na presença de Gleisi Hoffmam (Presidente Nacional do PT), incitou no domingo dia 14 de outubro de 2018, atos de violência contra o candidato Jair Bolsonaro, durante um comício em São Paulo. Guilherme Boulos propôs invadir à casa de Jair Bolsonaro. 

Ficou claro que a atitude do PT, sendo completamente omisso em relação a tolerância a violência, pregada pelo Guilherme Boulos, se enquadra perfeitamente no ítem "Tolerância ou encorajamento à violência", que Levitsky considera prioritário como um potencializador de governo autoritário. Podemos concluir que a implantação da dita Frente Democrática pode ser considerada como uma Desinformação, pois tenta convencer o povo brasileiro que Bolsonaro é fascista.

Terceiro Fato: o vídeo do deputado do PT Wadih Gomes falando explicitamente, que o Ministro Barroso faz um desserviço para a democracia, que o Supremo Tribunal Federal – STF – teria que ser fechado. O Judiciário teria que ser redesenhado e o Lula solto... É um grande absurdo. Uma estupidez plena e ninguém divulga isso de forma explícita. 

 Vejam que os cientistas políticos de Harvard deveriam aprofundar seus conhecimentos nas Terras Brasilis, em vez de serem peremptórios em suas afirmações bisonhas, pois demonstram total falta de coerência e conhecimento de causa.

2. Troca de Cores

 

O PT simplesmente, em um passe de mágica, a partir de 06 de outubro passou a ser verde e amarelo. O vermelho simplesmente desapareceu, sumiu. Tomou Doril!! 

Vergonha em tentar enganar o povo brasileiro que houve uma desvinculação com o PT. Haddad e Manuela são independentes, são verdes e amarelos! Desculpem minha franqueza, mas chega as raias do ridículo ver o PT, que sempre foi vermelho, aparecer de verde e amarelo. Ninguém do PT estudou “branding”? Não sabem que para mudar o design e marca tem que haver um estudo e uma forma de penetrar no mercado. Desta maneira passa a ser mais um tiro no pé, além de ser considerado uma FRAUDE MORAL e ao mesmo tempo uma DESINFORMAÇÃO.

3. Lula, o Presidiário Desaparece das Propagandas e Impressos

Como um passe de mágica, o “poste” não fala mais com seu guru, só por telepatia, pois não há mais qualquer menção do Lula nas propagandas do PT.  O objetivo é a desvinculação do Haddad com o presidiário, inclusive com a orientação de não mais ir a Curitiba. Como se fosse verdade! Não há telefone ou internet? DESINFORMAÇÃO!

4. Haddad e Manuela na Igreja Católica

Haddad e Manuela nunca apareceram juntos no primeiro turno em missas, muito menos realizando comunhão. A utilização da imagem de Haddad e Manuela assistindo a missa e divulgando para o eleitorado, é uma desinformação, pois quer iludir o povo brasileiro de que são católicos praticantes, seguidores de todos os ritos pertinentes. Na área da inteligência chamamos isso de Decepção, pois ficou tão visível que é falso, a população brasileira percebeu que o contexto não foi natural. Mesmo Haddad tendo afirmado que seus parentes próximos eram líderes religiosos. DESINFORMAÇÃO/DECEPÇÃO

5. Deslegitimar a Candidatura de Jair Bolsonaro pelo Impulso do "subterrâneo da internet", 

Como última tentativa desesperada, o PT acusou Jair Bolsonaro, através de denúncia, da presidente do PT, na tribuna do senado, pela senadora Gleisi Hoffmann: "Eu acuso o senhor (Bolsonaro) de patrocinar fraude nas eleições brasileiras. O senhor é responsável por fraudar esse processo eleitoral manipulando e produzindo mentiras veiculadas no submundo da internet através de esquemas de WhatsApp pagos de fora deste país", afirmou Gleisi, que acrescentou: "O senhor está recebendo recursos ilegais, patrocínio estrangeiro ilegal, e terá que responder por isso. (...) Quer ser presidente do Brasil através desse tipo de prática, senhor deputado Jair Bolsonaro?"

A coligação O Povo Feliz de Novo pediu que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) declare o candidato Jair Bolsonaro (PSL) inelegível por oito anos por abuso do poder econômico e uso indevido de meios de comunicação digital.  A coligação é integrada pelos partidos PT, PCdoB e PROS.

O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Jorge Mussi, decidiu na sexta-feira, 19 de outubro de 2018, instaurar a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE).

Mas o Corregedor – geral, Ministro Jorge Mussi rejeitou os pedidos cautelares feitos pelos autores relativos à busca e apreensão de documentos na sede da empresa Havan e na residência do proprietário da companhia, Luciano Hang, o depósito de documentação contábil, financeira, administrativa e de gestão referentes a possíveis atividades e gastos que o empresário tenha realizado no sentido de contribuir, direta ou indiretamente, para a campanha do candidato Jair Bolsonaro.

O ministro negou ainda a quebra do sigilo bancário de Hang, bem como das empresas de tecnologia e desenvolvimento de software citadas na ação apresentada pela coligação. O corregedor-geral também indeferiu o pedido para que o TSE determinasse à empresa WhatsApp a apresentação, no prazo de 24 horas, de um plano de contingência para suspender o disparo em massa de mensagens ofensivas ao candidato Fernando Haddad e aos partidos que integram a coligação, sob pena de suspensão de todos os serviços do aplicativo de mensagem até o cumprimento da determinação. 

Ou seja, enterrou a possibilidade da Inelegibilidade de Jair Bolsonaro, mais um tiro do PT que deu no pé.

Outras curiosidades: Na representação ao TSE, o PT solicitou as oitivas dos donos das empresas que a Folha de São Paulo acusa estarem envolvidas num suposto esquema de impulsionamento privado da campanha de Jair Bolsonaro via WhatsApp. O PT também pede que sejam ouvidos os jornalistas que colaboravam com a matéria, mas parece ter esquecido de solicitar o nome da jornalista titular. Curioso não? Não é curioso, é não querer expor a fonte que realizou a desinformação. Simples.

A desinformação foi fruto da utilização da matéria da Folha de São Paulo, publicada na quinta-feira, dia 18 de outubro, feita pela jornalista Patrícia Campos de Mello. Ao investigarmos a referida jornalista identificamos:

 

1. Em primeiro lugar sua ideologia é frontalmente de esquerda, incluindo postura agressiva contra Jair Bolsonaro em sua rede social;

2. Esta postura é declarada, comprovada em várias entrevistas, declarando seu voto para o PT, o que conflita com seus interesses jornalísticos. Não é contra o código de ética do Jornal Folha de São Paulo? Pelo que eu lembre em seu manual consta que o jornalista deve ser imparcial. Será? Fraude Moral!

3. Em terceiro lugar existem artigos, um deles, publicado em 17 de dezembro de 2014 em sua coluna, onde elogia que os investimentos do Brasil, financiado pelo BNDS, no valor de 800 milhões de dólares, no porto de Mariel, Cuba, que a Odebrecht era a empreiteira responsável, afirmou que foi uma estratégia que se provou acertada pelo Brasil. Coincidência? Creio que não!!

4. Em quarto lugar a jornalista é filha do jornalista Hélio Campos Mello, fundador da Revista Brasileiros, que segundo a delação premiada de Marcelo Odebrecht, este teve que “doar” para a Revista Brasileiros, a pedido do ex-Ministro Mantega, uma quantia em torno de um milhão e meio de reais, que seriam descontados da “verba”. Coincidência também? Ou não sabia de nada? Difícil de acreditar!     

 

Por tudo isso podemos interpretar que o trabalho de desinformação e fraude moral foram planejados e orquestrados.

Resultados Segundo Turno – Evolução

Como resultado para este segundo turno em andamento, da primeira pesquisa IBOPE/ESTADÃO/TVGLOBO, temos a consolidação da liderança, na disputa presidencial, de Bolsonaro, com 59% das intenções de votos. O PSL possui 18 pontos porcentuais de vantagem sobre Haddad – PT, que aparece com 41%. Este levantamento apresenta somente os votos válidos, ou seja, exclui os brancos, nulos e indecisos. No eleitorado total há ainda 9% de nulos e brancos e 2% de indecisos. Com este cenário Bolsonaro fica com 52% e Haddad com 37%. 

Bolsonaro possui maior simpatizantes convictos 41% e Haddad 28%. Em termos de rejeição Haddad é o que possui maior porcentagem, 47% e Bolsonaro 35%.

Com estes resultados os eleitores vão se posicionando, que na minha interpretação, em termos de quantidade, o Bolsonaro já possui cerca de 19,3 milhões de eleitores de vantagem sobre Haddad. Vejam que a rejeição de Bolsonaro caiu e a de Haddad subiu, que na minha ótica é em função das estratégias equivocadas do PT.

Conclusão  

 

O cenário já se mostra mais delineado neste 22 de outubro e 2018, minha aposta, é que Bolsonaro leva no segundo turno, principalmente em função dos desalinhamentos realizados pelo PT. Estes desalinhamentos foram em função da sua arrogância e prepotência, em não querer enxergar o óbvio e de não ter humildade em assumir os erros cometidos. 

O que o PT realizou nestas eleições 2018, infelizmente, só vem para corroborar o ‘mecanismo” que implantou no governo nestes últimos 15 anos. 

Com este tipo de atitude os partidos dominantes da política brasileira, integrado a um cenário econômico recessivo, fizeram ressurgir uma nova direita no Brasil, uma direita inclusive composta por diferentes correntes. A nova direita não é patrimonialista, donos de jornais, quebraram esta lógica. 

O sucesso de Bolsonaro dependerá da maneira como poderá conciliar os interesses dos diferentes grupos a partir do Palácio do Planalto.

 

Sorte e Sucesso para nós!
Um Brasil melhor para todos os brasileiros! 

Antonio Celso Ribeiro Brasiliano

Publisher da Revista Gestão de Riscos e Presidente da Brasiliano INTERISK
abrasiliano@brasiliano.com.br  

Nossas redes sociais
Brasiliano INTERISK
Contato

Rua Barão de Jaceguai, 1768 - Campo Belo
São Paulo - SP - CEP: 04606-004

  • Facebook - Grey Circle
  • LinkedIn - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle